Mortal Kombat X

PS4

R$ 39,90
Licença
-
+
Marcadores / / /
Descrição

 Um helicóptero sobrevoa escombros e confrontos entre humanos e demônios quando, de repente, Scorpion aparece e abate o seu piloto. É com essa cena que Mortal Kombat X começa mais ou menos de onde o anterior parou. Em sua história, vimos o imperador Shao Kahn derrotado e consumido pelos deuses antigos. Porém, o deus caído Shinnok revelou suas verdadeiras intenções em dominar a Exoterra e o plano terreno, além de qualquer mundo que ver pela frente.

 Mortal Kombat X mostra a que veio na nova geração (Foto: Divulgação)
Mortal Kombat X mostra a que veio na nova geração 

É claro que as chamadas “forças do bem” não deixariam isso ocorrer de forma barata, e assim Johnny Cage, Sonya Blade, Kenshi, Raiden, Fujin e outros heróis correm em socorro do nosso mundo, honrando ainda heróis que haviam caído em combate, como Jax e Liu Kang. O grupo se reúne para combater Shinnok durante um período de cinco anos iniciais e, logo, conseguem o objetivo.
Depois de aprisionar Shinnok em seu amuleto e salvar os mundos, mais uma vez, os heróis vão viver suas vidas como podem e a história dá um salto – 20 anos adiante. Johnny agora está bem mais velho, assim como Sonya e outros personagens. Tudo isso para dar lugar a uma nova geração de heróis, formada por herdeiros daqueles combatentes do passado, incluindo Cassie Cage, filha dos dois militares.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)

Apesar dos novos, lutadores clássicos ainda são destaques 

Durante todo esse tempo, Cassie e um novo grupo de heróis cresceram para se tornar novos membros das Forças Especiais, que lutam ao lado de alguns heróis da Exoterra para continuar mantendo a paz em todos os mundos. Ainda assim, nada vai ser fácil quanto parece, já que uma guerra civil se deflagra por lá, entre a “verdadeira herdeira” Mileena e o atual imperador, Kotal Kahn.
Estes são apenas alguns dos primeiros momentos de Mortal Kombat X. Novamente o jogo dá um banho em termos de história e narrativa, e conta tudo isso de forma cinematográfica, frente aos fatos que precisamos acompanhar para entender tudo: quem são os novos personagens? Onde está Quan Chi? Como Scorpion ainda vive? Por quanto tempo mais os guerreiros precisarão participar de combates mortais?

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Cenários serão interativos assim como em Injustice 

Com Mortal Kombat 9, a NetherRealm Studios ensinou aos jogos de luta que eles podem ter momentos de sua história que vão além de rápidas cenas ou de imagens paradas e com poucas legendas. Com momentos repletos de ação, este tipo de narrativa se repetiu em Injustice: Gods Among Us, jogo anterior do estúdio, e está novamente presente em Mortal Kombat X, agora de forma ampliada e melhorada.
Ainda é de se espantar que o ritmo seja mantido ao longo de toda história. Se em MK9 tínhamos uma grande releitura de toda a antiga série – incluindo reinterpretações de MK1, 2 e 3 -, aqui temos um enredo que lida com futuros incertos de personagens que conhecemos e outros que estamos conhecendo agora. Novamente, um show de história, narrativa e na forma de entreter seu jogador.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
História traz diversas novidades e um salto de 20 anos

É claro que MKX não é apenas história, e por isso mesmo traz uma jogabilidade que continua apostando na fórmula de sucesso que os jogadores já conhecem, mas com muitas novidades que podem, e devem, agradar.

Três estilos, três vezes mais combates

Logo de cara podemos jogar todos os modos do game, mas o mais aconselhável é seguir o caminho de lutas simples antes de encarar a história. Testar alguns golpes no modo tutorial também pode ser adequado, já que há uma grande novidade no sistema de lutas: as três possíveis instâncias de golpes de cada lutador.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Escolha a variação que mais combina com seu estilo de luta 

Imagine que Scorpion, por exemplo, pode ter três estilos de luta – ninja, demoníaco e furtivo. Cada estilo tem golpes diferentes e deve ser escolhido antes da luta. Durante o embate não é possível alternar seu estilo, o que torna aquele lutador único durante aquele conflito. Mais tarde, em outra luta, você pode testar outra versão de Scorpion, sem necessariamente mudar o personagem.
Isso se estende por todos os lutadores deste capítulo, incluindo novos e antigos. De acordo com o estilo você também pode ter algumas pequenas variações na aparência deste personagem, quase imperceptível, mas que pode ajudar na identificação e variação daquela escolha.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Todos os personagens possuem três estilos diferentes 

No restante dos combates, muita coisa continua da mesma forma. É claro que MKX representa uma evolução, e por isso mesmo traz alguns elementos que foram herdados de Injustice, o jogo anterior do estúdio. Por exemplo, é possível interagir com o cenário novamente, mas de forma bem mais extensa. Os combos, X-Rays e agarrões seguem da mesma forma que conhecíamos, só que muito mais brutal, claro.
Os mais experientes, porém, logo vão notar que MKX mudou algo bem clássico da série: este é um Mortal Kombat mais “rápido”, mais “frenético”. As lutas são mais ferozes e apresentam um ritmo bem mais rápido do que no capítulo anterior, fazendo cair por terra aquele conto de que Mortal Kombat era um game de evolução mais lenta do que seus “concorrentes”.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
MKX é bem mais rápido do que qualquer antecessor da série

Fatalities, Brutalities (que retornam por aqui), combos e outros elementos-chave e que fizeram sucesso na série estão presentes. Os Fatalities ganharam mais variedade e, em alguns momentos, podem ser executados com mais facilidade, mas só para quem quiser. Aliás, facilidade é algo proeminente neste capítulo, onde é possível até mesmo pular as lutas no modo história, apenas para acompanhar o enredo. Nada de errado, já que é uma opção apenas para quem desejar.
Em termos de jogabilidade, é incrível como MKX pode ter mudado tão pouco e, ao mesmo tempo, apresentar tantas coisas novas. É a velha história de que “em time que está ganhando não se mexe”, mas não levado tão ao pé da letra assim. O que o estúdio NetherRealm resolveu fazer foi realmente remodelar alguns aspectos de sua saga, sem deixar a identidade cair de qualidade.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Fatalities estão ainda mais sangrentos e Brutalities retornam 

Identidade é uma palavra que é reforçada a cada momento nas lutas de MKX. Os golpes, aliás, continuam muito criativos e com comandos relativamente fáceis de se realizar. Os combos também se encaixam com facilidade e todo o restante é muito amigável a jogadores de todos os tipos. É claro que só os melhores devem se sobressair nos modos online, mas a verdade é que qualquer um pode aproveitar o game, no geral.

Kombate recheado

Mortal Kombat X vem com muitos modos de jogo, alguns deles apostando forte na conexão com a Internet, como o modo de guerra de facções. Aqui o jogador escolhe sua facção no início do game e vai lutando enquanto pode. Conforme suas vitórias aumentam, sua facção também sobe de nível e o mesmo acontece com usuários ao redor do globo, que estejam jogando conectados com a Internet.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Modo de facção promete aumentar bastante o fator replay

Outro modo que retorna de forma bem interessante é o Teste sua Sorte, que está mais divertido do que nunca. Aqui você deve encarar lutas aleatórias, contra oponentes escolhidos na sorte e com modificadores selecionados da mesma forma. Você pode, por exemplo, encarar um inimigo com o chão escorregadio, ou saindo chamas a todo o momento, ou com facas voando pelo cenário e acertando os dois ao mesmo tempo e por aí vai. Divertido e curioso, no mínimo.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Outros diversos modos estão presentes e valem a jogatina

Os modos extras são muitos e variam bastante. Além do óbvio multiplayer online com seus submodos, como o “Rei da Montanha”, temos o retorno da Torre de Desafios, que agora possui três variantes, entre elas a Torre Viva, que vai sempre mudando, de acordo com o tempo. A Torre em si continua a mesma, com desafios específicos e lutas pré-programadas que devem ser vencidas pelo jogador.
Por fim, há ainda a Krypta, contendo diversos extras que podem ser destravados por meio de uma moeda fictícia obtida pelo jogador ao longo das lutas. Desta forma é possível destravar Fatalities, artes dos personagens, roupas adicionais e outros benefícios, da mesma forma que existia em MK9, mas com um exploração mais “solta”, lembrando um jogo de tiro em primeira pessoa.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Diferentemente de MK9, Goro será personagem controlável 

É claro que, com tantos modos, Mortal Kombat X deve durar bastante nas mãos do jogador mais exigente. O modo de história não dura tanto quanto parece, apesar de ser demorado para os padrões de um jogo de luta, mas vai ser difícil ficar jogar por algum tempo, principalmente pelo modo online.

Kombate imperfeito

Mortal Kombat X é muito bom e divertido, mas não é perfeito. Há pequenos problemas no modo online, como lags que podem atrapalhar as partidas. Esse tipo de problema parece ser comum em jogos de luta quando são recém-lançados no mercado, porém, e por isso esperamos por melhorias através de “patches” de atualização.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)

Visual e som: dois mundos distintos

Assim como Exoterra e plano terreno, som e gráficos em Mortal Kombat X andam em lados diferentes, ao menos na versão brasileira, a qual testamos. O visual é incrível, com muitos efeitos bem explorados em prol do poder de consoles da nova geração, como partículas e muita destruição ao mesmo momento, tudo isso rodando suave, a 60 quadros por segundo, e na resolução máxima. Os personagens podem não ser os mais bem modelados do mundo, mas não decepcionam nem um pouco.

 Mortal Kombat X (Foto: Divulgação)
Ambientação visual boa, já a sonora... nem tanto

Já o som, por outro lado, não é dos melhores. Não se engane, pois Mortal Kombat X continua com uma trilha sonora arrasadora e vozes originais que podem ser consideradas em bom nível. Porém, a edição brasileira conta com algumas decisões questionáveis no elenco de dublagem, que é recheado de bons dubladores, mas que também conta com algumas vozes bem estranhas em alguns personagens – entre eles Cassie Cage, que é dublada pela cantora Pitty. Enquanto roqueira, Pitty faz um ótimo trabalho e sucesso entre seus fãs, mas na voz da personagem ela não brilha tanto e, na verdade, deu um resultado bem estranho e questionável.

Conclusão

Mortal Kombat X é o MK definitivo. Perto dele, o anterior fica parecendo “brincadeira de criança”, sem desmerecer, mas sim enaltecendo a evolução natural da série. Os gráficos estão excelentes e as adições à jogabilidade foram bem pontuais e nada exageradas. O modo de história continua muito bem dirigido e os modos multiplayer e extras seguem interessantes. É claro que nem tudo é perfeito e, no caminho, temos problemas com personagens que serão vendidos por DLC e uma dublagem questionável.

  

Especificações
  • Legenda: Português BR
  • Audio Português BR
  • Tamanho: 31,2 GB

Trailer
 
 Gameplay
 
Tipos de Licença

Avalições

Based on 2 reviews Escreva uma avaliação

Produtos vistos recentemente